quarta-feira, 25 de julho de 2012

Sobre Ágape

Quando se estuda o amor em filosofia tem-se a distinção de pelo menos três tipos de amor: o philia que é um amor de conhecimento, daí vem a palavra filosofia, que signfica amor a sabedoria; temos eros, do qual deríva a palavra erótica, que aquele amor carnal ou sensual entre duas pessoas, e temos Ágape, que é este amor incondicional. Título de uma obra do Pe. Marcelo Rossi, um livro oracional. Numa das passagens citadas da Bíblica logo no início do livro é umas das mais belas passagens da I carta de São João, no Capitulo 4: 
(7) Amados, amemo-nos uns aos outros, pois o amor procede de Deus. Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. (8) Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. (9) Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou o seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele.(10) Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação por nossos pecados. (11) Amados, visto que Deus assim nos amou, nós também devemos amar-nos uns aos outros .(12) Ninguém jamais viu a Deus; se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor está aperfeiçoado em nós. (13) Sabemos que permanecemos nele, e ele em nós, porque ele nos deu do seu Espírito. (14) E vimos e testemunhamos que o Pai enviou seu Filho para ser o Salvador do mundo.(15)Se alguém confessa publicamente que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e ele em Deus.(16)Assim conhecemos o amor que Deus tem por nós e confiamos nesse amor. Deus é amor. Todo aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele. (17) Desta forma, o amor está aperfeiçoado entre nós, para que no dia do juízo tenhamos confiança, porque neste mundo somos como ele. (18) No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor. (19)Nós amamos porque ele nos amou primeiro. (20) Se alguém afirmar: "Eu amo a Deus", mas odiar a seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. (21) Ele nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também a seu irmão.
 Além  magnitude desta passagem que condensa uma visão de amor extremante graciosa para a vivência do cristianismo, quero resssaltar como a sabedoria não é uma coisa que provém necessariamente de livros. Falando com meu avó sobre esta passagem, ele diz intuitivamente que o amor que as pessoas tem de fato não é uma amor, que o amor de Deus é "Wirklich, é o amor efetivo ou real. De alguma forma sabe o que é  a Ágape, esta forma diferente de amor.


domingo, 15 de julho de 2012

Sugestão de texto de Leibniz

http://institutosantacruz.wordpress.com/2012/04/17/filosofia-de-leibniz-i/
 http://institutosantacruz.wordpress.com/2012/04/24/os-fundamentos-da-monadologia/

FILOSOFIA DE LEIBNIZ (I)


Introdução
Gottfried Wilhelm Leibniz nasceu em Leipzig, Alemanha, em 1º de julho de 1646. Acometido de uma crise de gota, faleceu em 14 de novembro de 1716. Leibniz foi um homem de muitos interesses. Filósofo, jurista, lingüista, matemático, historiador, diplomata, suas contribuições versam desde a descoberta do cálculo infinitesimal até o esforço pelo ecumenismo e pela superação dos conflitos religiosos na Europa da época.
São suas obras principais: O discurso de metafísica (1686); Novos ensaios sobre o entendimento humano (1701-1704, publicados em 1765); Teodicéia (1710); Monadologia (1714); Princípios da natureza e da graça (1714).
Os historiadores da Filosofia costumam classificar a filosofia clássica moderna em (1) Empirismo britânico: John Locke, Berkeley e David Hume; (2) Racionalismo continental: René Descartes, Espinosa e Leibniz.
Se seguirmos essa orientação, é preciso dizer que Leibniz foi um racionalista bastante peculiar. Crítico de Descartes (em Animadversações sobre os princípios da filosofia de Descartes), de Espinosa e de Locke (em Novos ensaios sobre o entendimento humano), afasta-se do subjetivismo característico do pensamento moderno em suas origens.
Leibniz produziu um vasto sistema metafísico interligado, mas não o apresentou em uma única obra. Por isso, para compreender sua acepção ontológica do mundo e de tudo que o compõe é preciso fazer as articulações dos fundamentos da metafísica apresentados em suas principais obras. Para Leibniz, toda verdade deve ter uma razão segundo a qual ela é verdade. A tarefa da filosofia consiste na integração da totalidade do conhecimento humano.
Racionalismo e finalismo
 1. Duas relações da teoria de Leibniz com as filosofias anteriores são centrais para compreender o seu sistema filosófico:
a)           o ideal de uma explicação matemática do mundo, fornecida por Descartes, a partir da qual Leibniz pretendia lançar as bases de uma combinatória universal, espécie de calculo filosófico que lhe permitiria encontrar o verdadeiro conhecimento e desvendar a natureza das coisas;
b)           de Aristóteles e da escolástica, Leibniz assimilou a noção conforme a qual o universo está organizado de maneira teleológica, ou seja, tudo aquilo que acontece, ocorre tendendo para determinados fins.
Isto implica na possibilidade da mediação entre a philosophia perenis e os philosophi novi (Revolução científica e mecanicismo).
Dois conceitos são retomados: a) o conceito de “fim” (ou de “causa final”, juntamente com a visão teleológica geral ou finalística da realidade nele fundada; b) o conceito de “substância”, juntamente com a respectiva visão ontológica da realidade.
2. A vontade do Criador (na qual se fundamenta o finalismo) submete-se ao Seu entendimento (racionalismo). Deus não pode romper Sua própria lógica e agir sem razões, pois estas constituem Sua natureza imutável.
3. Com efeito, o mundo criado por Deus constitui-se por uma racionalidade, cumprindo objetivos propostos pela mente divina.
4. A filosofia de Leibniz que propõe superar o racionalismo cartesiano e o finalismo aristotélico apresenta como núcleo uma serie de princípios de conhecimento, dos quais se poderiam deduzir uma concepção do mundo e uma ética dotada inclusive de implicações políticas.
5. Leibniz estabelece princípios basilares de seu sistema filosófico: os princípios do melhor, de não contradição, da razão suficiente, da continuidade e dos indiscerníveis. Tais princípios são constitutivos da própria razão e, portanto, inatos. Em Novos Ensaios Sobre o Entendimento Humano, Leibniz refuta a teoria empirista de Locke (1632-1704), segundo a qual a origem das ideias encontra-se na experiência, apenas uma “tabula rasa”, uma folha de papel em branco. Para Leibniz, ao contrário, a experiência só fornece a ocasião para o conhecimento dos princípios inatos ao intelecto (Prefácio, p. 22).
6. “Daqui parece dever-se concluir que as verdades necessárias, tais quais as encontramos na matemática pura e sobretudo na aritmética e na geometria, devem ter princípios cuja demonstração independe dos exemplos, e consequentemente também do testemunho dos sentidos, embora se deva admitir que sem os sentidos jamais teria vindo à mente pensar neles” (Prefácio, p. 23).
7. O princípio de razão consiste em submeter toda e qualquer explicação ou demonstração a duas exigências:
a) A primeira funda-se no caráter não contraditório daquilo que é explicado ou demonstrado; é a razão necessária ou principio de não contradição.
b) A segunda exigência consiste em que, além de explicado ou demonstrado não ser contraditório (e sendo, portanto, possível sua existência), a coisa em questão também existe realmente; é a razão suficiente. Com efeito, uma coisa só pode existir necessariamente se, além de não ser contraditória, houver uma causa que a faça existir.
8. Além da causa eficiente que produz as coisas segundo o princípio de razão (não contradição e suficiência), intervém nessa produção a causa final. A primeira é de tipo matemático e mecânico, a segunda é dinâmica e moral.
9. O fim da produção das coisas é a vontade justa, boa e perfeita de Deus, que deseja essa produção. O finalismo é que sustenta o princípio do melhor: Deus calcula vários mundos possíveis, mas faz existir o melhor desses mundos. O critério do melhor tem conotação moral.
10. O mal é a simples sombra necessária do bem. O finalismo, desse modo, mostra o otimismo leibniziano do melhor dos mundos possíveis.
11. O princípio da continuidade afirma que a natureza não dá saltos; assim como não há vazios no espaço, assim também não existem descontinuidades na hierarquia dos seres. Por exemplo, as plantas não passam de animais imperfeitos.
12. O princípio dos indiscerníveis constitui a multiplicidade e a individualidade das coisas existentes. Leibniz afirma que não há no universo dois seres idênticos e que sua diferença não é numérica nem espacial ou temporal, mas intrínseca, isto é, cada ser é em si diferente de qualquer outro. A diferença é de essência e manifesta-se no plano visível das próprias coisas.
Antônio José Resende[1]
[1] Professor no IFTSC e na PUC-Goiás


FILOSOFIA DE LEIBNIZ (II): OS FUNDAMENTOS DA MONADOLOGIA

Continuação do texto “Filosofia de Leibniz (I)
1. Leibniz elabora uma noção dinâmica do ser e rompe com a concepção mecanicista de Descartes que formula uma teoria geométrica e mecânica dos corpos. Ele explica os seres não como maquinas que se movem, mas como forças vivas.
2. Uma forma de acesso à compreensão de sua obra pode ser a partir de determinadas doutrinas lógicas por ele apresentadas, ou, por outra via, pode-se iniciar pela idéia de mônada. A Mônada é uma substância. Em Os Princípios da Filosofia ou a Monadologia, afirma o referido filósofo, que “A Mônada de que aqui falaremos não é outra coisa senão uma substância simples, que entra nos compostos; simples quer dizer sem partes. Teodicéia, § 10” (§ 1, p. 131).
Mônada é uma unidade elementar única, indivisível. Tem um certo número de propriedades, mas, por ser simples, não tem partes.
Diz Leibniz, tudo que é complexo é formado pelo simples, e as componentes simples últimas do complexo são os verdadeiros constituintes do mundo, enquanto os complexos são simplesmente produtos secundários da agregação dos simples. Com efeito, tudo o que ocupa espaço tem extensão e é, portanto, divisível e, por conseguinte, complexo.
Portanto, as componentes últimas do mundo têm de não ter extensão e, porque não a têm, não são materiais. Por conseguinte, o mundo real é constituído por uma infinidade de pontos metafísicos; e como estes itens sem extensão e indivisíveis não são materiais, têm de ser mentais.
Assim, o mundo consiste numa infinidade de itens espirituais que são como pontos ou, como muitos denominam, e às vezes o próprio Leibniz o diz, uma infinidade de almas, tudo, desde a mais importante delas, Deus, de quem tudo o resto depende, até a alma humana, que é a mônada particular que nos dá em primeiro lugar a idéia de substância, até os constituintes últimos do que, confusamente, concebemos como matéria.
3. Noção fundamental da metafísica de Leibniz: a matéria é essencialmente atividade, bem como, o universo é composto por unidades de força, as mônadas. Ele chega à noção de mônada mediante a experiência interior que cada indivíduo tem de si mesmo e que o revela como uma substancia ao mesmo tempo una e indivisível.
Tudo o que existe de complexo no mundo deve ser analisável em elementos mais simples. Se os elementos mais simples forem à mesma complexos, então têm de ser também analisáveis. Assim, acabaremos por chegar a elementos absolutamente simples que já não são analisáveis, os quais são os constituintes últimos do mundo.
Todavia, estes não podem ser materiais, porque parte da própria definição de matéria dizer que ela é algo dotado de extensão, e a extensão é, por definição, subdivisível. Obviamente, aquilo que já não é divisível não pode ser subdivisível. Assim, os constituintes últimos do mundo têm de ser não materiais e não podem ocupar espaço.
As mônadas têm consciência? Parece-nos que a resposta de Leibniz é afirmativa. Leibniz pressupunha que estes pontos últimos ou mônadas eram espíritos. Sabe-se que ele aceitava inquestionavelmente o princípio de Descartes de que tudo o que existe ou ocupa espaço ou é consciente (alma/intelecto).
No entanto, note-se que ao sustentar que as mônadas eram conscientes, Leibniz não foi ao ponto de supor que fossem universalmente autoconscientes. Pensava que as mônadas tinham percepções, tinham consciência de outras coisas para além delas próprias. Mas não afirma que as mesmas eram capazes de apercepção, isto é, a capacidade que uma consciência pode ter de estar consciente das coisas fora dela própria.
A realidade é constituída de “centros de força”, ou seja, centros de atividade, pontos ou átomos físicos e imateriais. Esses centros de força são “substâncias simples”, ou mônadas. Também denominou enteléquias para indicar a perfeição intrínseca que possuem.
Curioso notar que uma das teorias fundamentais da física do séc. XX diz que toda a matéria é redutível a energia, ou seja, que a energia é o constituinte último do universo físico. Pode-se considerar a acepção de Leibniz próximo desta idéia? Parece-nos que sim, uma vez que ele afirmava que toda a matéria era constituída por propensões para a atividade que não são em si próprias materiais.
Necessário se faz ponderar que no séc. XVII, o único vocabulário de que as pessoas dispunham para falar de centros não materiais de atividade era um rol conceitual composto de denominações como espírito, alma, mente etc., como os utilizados por Leibniz.
Neste cabedal conceitual contemporâneo do filósofo, admitia-se que a natureza consistia em matéria em movimento, e que o movimento não era intrínseco à própria matéria, mas tinha de ser comunicado ao mundo material a partir de uma fonte exterior. Leibniz não defendia esse pressuposto. Defendia que o movimento, ou a energia, ou a atividade, que é talvez o termo genérico mais adequado, é intrínseca aos constituintes últimos do mundo.
Influenciou os filósofos Frege e Russell, com a definição de que todas as proposições são verdadeiras (V) ou falsas (F). Proposições analíticas são verdades de razão; proposições sintéticas são verdades de fato. As verdades de razão são finitas e infinitas.
Existência. Propriedade da existência. 1) Só deus existe necessariamente; 2) a existência de tudo o mais depende de Deus optar por atribuir existência a essa coisa possível; 3) há infinitamente muitos indivíduos possíveis, coisas cujas noções completas são intrinsecamente coerentes.
Deus – há uma existência de sistemas possíveis – escolhe o melhor para criar. Deus contempla o inventário infindável de mundos possíveis, de sistemas possíveis de coisas que são coerentes umas com as outras e então, por ser perfeito, escolhe o melhor, isto é, o melhor dos mundos possíveis.
Tal escolha, não ocorre conforme o ponto de vista humano, prático, emocional, mas escolhe um modo mais abstrato e metafísico, ou seja, o mundo possível no qual há, grosso modo, a maior quantidade de existência.
Teoria da harmonia preestabelecida.
Razão necessária/conhecimento necessário.
Princípio da razão suficiente.
Se a nós nos parece que as coisas estão casualmente inter-relacionadas, é porque todo o cosmos é, desde o princípio e ao longo de sua história, a criação unitária de Deus, e as interconexões aparentes não são encadeamentos causais, mas uma harmonia preestabelecida que deriva desse fato.
Problema da liberdade da vontade. E o livre arbítrio existe? E o mal? Como explicar o problema do mal no mundo? Deus cria o mundo equipado. Cada indivíduo autodetermina-se perfeitamente. A pessoa age por consciência e autoconsciência, ou ao arrepio de sua verdadeira natureza?
Segundo Leibniz, Deus cria todas as outras mônadas que constituem o mundo e as equipa com uma natureza intrínseca, isto é, única em cada caso, que determina tudo o que fazem subsequentemente. Em outros termos, tudo o que acontece é preparado por Deus. A conexão causal aparente acaba por ser tão-só um qualquer tipo de correspondência ou paralelismo entre o que acontece numa coisa e o que acontece na outra.
Para a concepção de mundo de Leibniz, a força que determina cada indivíduo, uma vez desencadeada por Deus, é a natureza com que Deus equipou esse indivíduo. Neste sentido, no âmbito da liberdade, cada indivíduo autodetermina-se perfeitamente.
Philosophia perennis = plano do finalismo filosófico; pilosophi novis = âmbito especificamente científico/plano do mecanicismo científico.
Para Leibniz, extensão e movimento, figura e número são apenas determinações extrínsecas da realidade, que não vão além do plano da aparência, ou seja, do fenômeno. Prelecionam Reale & Antiseri,
A extensão (a res extensa cartesiana) não pode ser a essência dos corpos, porque por si mesma não basta para explicar todas as propriedades corpóreas. Por exemplo, como mostra Leibniz, não explica a inércia, ou seja, a relativa resistência que o corpo opõe ao movimento, a ponto de ser necessária uma “força” para desencadear tal movimento. O que significa que existe algo que está além da extensão e do movimento, que não é de natureza puramente geométrico-mecânica e, portanto, física, sendo assim de natureza metafísica, que é precisamente a “força”. É dessa força que derivam tanto o movimento como a extensão.
Cada mônada é diferente da outra (Os Princípios da Filosofia ou Monadologia, § 9). Todo ser criado está sujeito a mudança, e, por conseguinte, a mônada criada também (idem, § 10). A mudança ocorre por um princípio interno, já que uma causa externa não poderia influir em seu interior (Teodicéia, §§ 396 e 400, in Os Princípios da Filosofia ou Monadologia, § 11).
4. Caracterização das mônadas:
a) Percepção: pela percepção as mônadas representam as coisas do universo; cada um de per si espelha o universo todo;
b) A apercepção é a capacidade que a mônada espiritual tem de auto representar-se, isto é, de refletir; a mônada é consciência ou percepção consciente;
c) A apetição consiste na tendência de cada mônada de fugir da dor e desejar o prazer, passando de uma percepção para outra.
5. Há dois tipos de inconscientes: o inconsciente de percepção, próprio das simples mônadas enquanto são apenas “espelhos do universo”, e o inconsciente de imitação, pertencente apenas aos espíritos enquanto não são apenas espelhos, mas espelhos dotados de reflexão.
6. A razão dessa diferença encontra-se no fato de que as mônadas não possuem o mesmo grau de perfeição, como se segue:
a) no grau mais alto estão as “mônadas racionais”, com consciência e vontade;
b) depois as “mônadas sensitivas”, que são os animais dotados de apercepções e desejos;
c) por último, as “mônadas nuas”, corpos brutos que só têm percepções inconscientes e apetições cegas.
O melhor dos mundos possíveis e a harmonia preestabelecida
  • O universo compreendido como um todo, harmônico.
  • Relação com o modelo estoico: o universo é concebido à semelhança de um organismo pleno, cujas partes convivem numa harmonia natural e onde tudo é análogo a tudo.
  • Há uma harmonia preestabelecida, uma vez que os atos de cada mônada foram antecipadamente regulados de modo a estarem adequados aos atos de todas as outras. Isto ocorre no instante da criação. Deus a realiza desse modo.
  • Deus escolhe o melhor dos mundos dentre todos aqueles que se apresentam como possíveis.
O homem e o seu destino
  • Como explicar a presença do mal no mundo?
  • E o livre arbítrio existe ou toda ação humana já está preestabelecida?
  • O mal se manifesta de três modos: metafísico, físico e moral.
  • Metafísico: é a fonte do mal moral, e deste ocorre o mal físico. O mal metafísico é a imperfeição inerente à própria essência da criatura, pois se ela fosse perfeita, seria o próprio Deus.
  • Mal moral: surge da relação da imperfeição da criatura e sua possibilidade de contemplar o Bem. A sujeição ao erro próprio da limitação da criatura.
  • Mal físico: uma consequência física da limitação original e uma consequência ética, donde decorre a punição do pecado.
Os pontos básicos da metafísica monadológica:
  • A natureza das mônadas como “força representativa”
  • Cada mônada representa o universo e é como um microcosmos
  • O princípio da identidade dos indiscerníveis
  • As leis da continuidade e seu significado metafísico
  • A criação das mônadas e a sua indestrutibilidade
As mônadas e a constituição do universo:
  • Explicação da materialidade e corporeidade das mônadas
  • Explicação da constituição dos organismos animais
  • A diferença entre as mônadas espirituais e as outras mônadas
A harmonia preestabelecida
Deus e o melhor dos mundos possíveis (o otimismo leibniziano)
As verdades de razão, as verdades de fato e o princípio da razão suficiente
A doutrina do conhecimento: o inatismo virtual ou a nova forma de “reminiscência”
O homem e o seu destino.
Princípios constitutivos da razão humana, segundo Leibniz:
  1. Princípio do melhor (Deus cria o melhor dos mundos possíveis).
  2. Princípio de não contradição (A é A e não pode ser não-A).
  3. Princípio da razão suficiente.
  4. Princípio ou Lei da continuidade.
  5. Princípio dos indiscerníveis.
Todos estes princípios são inatos, isto é, emanam da própria razão humana e a validade dos mesmos não depende da experiência.
A experiência só fornece a ocasião para o conhecimento dos princípios inatos do intelecto.
Antônio José Resende[1]
[1] Professor no IFTSC e na PUC-Goiás

sábado, 7 de julho de 2012

Sentimentos internos

Conhecendo grandes pessoas sempre se aprende muita coisa, está aprendi comum mestre.
Uma das grandes virtudes da vida é as pessoas conseguirem o equilibrio, o que Aristóteles chamava de meio termo. Quando se diz que alguém é adulto ou maduro, é alguem equilibrado emocionalmente. Pessoas que apesar das adversidades exteriores conseguem manter a retidão e constância em seus atos, são pessoas admiráveis. Pessoas equilibradas são pessoas que não perdem o controle da situação, não gritam, não se abalam e não se afetam. Quando jovens temos mais prospecção de sermos afetados pelo que as outras pessoas dizem; então basta alguém nos fazer uma crítica e o mundo desaba.
As circunstâncias ao nosso redor são muito importante para nos manter conectado ao movimento do mundo, e acompanhando as mudanças que ocorrem, mentalmente alguém que não acompanha as mudanças exteriores é alguem alienado, um fanático, um fundamentalista.
O problema de ser influenciado é de vertente emocional, afinal tudo entra em nossa vida através dos sentidos. A forma que algumas pessoas encontraram de não se afetar emocionalmente por coisas exteriores que são banáis, é viverem seu sentimentos internos, e não de forma externa. Ou seja, você ser a fonte de energia dos teus sentimentos, e ter a capacidade de filtrar o que lhe pode importar ou não do mundo externo. 
Viver internamente seus sentimento e produzi-lo internamente para que possamos erradiar nosso meio é uma capacidade de liderança. Pessoas que são o epicentro de energia negativa conseguem igualmente afetar seu redor. Exige algum tipo de treinamente para você ser autor de seus sentimentos, claro que isso não significa controla-los, afinal ninguém controla sentimento de forma direta.
Não vou entrar aqui no mérito de onde e como buscar a fonte inspiração, ou o porto seguro para servir de base nas tributações, existe uma vasta gama de possibilidades desde o autoconhecimento, alguns por intuição, outro com duros exercicios de meditação, outros encontram na religião, outros valores que possuem....

domingo, 1 de julho de 2012

Reflexões do dia

"Ele (Deus) não faz nada por acaso e não se assemelha a nós, pois às vezes se nos escapa aquilo que é oportuno fazer" Leibniz. 
Quantas vezes deixamos escapar o que é oportuno fazer, coisas que sabíámos que era necessário ou porque tomamos algo supérfulo por algo oportuno, e percebemos que grandes chances formam nos escapando entre os dedos.

domingo, 24 de junho de 2012

Algo de Leibniz para a vida

"E penso que no universo nada é mais verdadeiro do que a felicidade, nem mais feliz ou doce do que a verdade." Leibniz. A primeira parte da afirmação estamos absolutamente dispostos a aceitar na integra, por que a felicidade plena deve necessariamente ser verdadeira, agora se a verdade nos causa felicidade, somente se somos autênticos, autenticidade não é algo que você precisa demonstrar a outrem, mas algo que você precisa  ser em si. Somente neste sentido podemos concordar que a felicidade nos deixe feliz, apesar de uma aparente afetação emocional. Essa vai para semana...

Leibniz - apontamentos e leituras

Leibniz está inserido no centro da revolução cientítica em que se destacam o empirismo de Bacon e o Racionalismo de Descartes. O reflexo disso é que a filosofia escolástica com seus problemas e respostas submergiram frente as ciencias matemáticas, em especial a física. A filosofia de Leibniz reflete esse novo paradigma emergente.
Dois conceitos sobretudo foram ameaçados seriamente:
a) conceito de causa final aristotélica, juntamente com a noçao finalísitica do universo (visão teleológica da realidade);
b) O conceito de substância no sentido metafísico, ou seja a realidade última nao possui mais perpe
ctiva ontológica.
O mérito da filosofia de Leibniz está na sua capacidade de sintetizar o pensamento de sua época, a partir da reeleitura destes conceitos. O conceito de Philosophia Perennins em que as questões que permanecem da permeiam a filosofia medieval possam ser conciliados com a Philosophia Novis (nova filosofia).
Leibniz defende que a realidade medieval e a realidade moderna, se colacam em planos diferentes , e em sim mesma não se combatem quando corretamente entendidas, e o estabelecimento de conexões entre ambas produzem enfeitos intenressantes. A genealidade da filosofia leibniziana está em compreender bem o passado e compreender bem o moderno, é um mediador entre ambos os movimentos. Leibniz consegue manter prefuda admiração pelos filosofos considerados ultrapassados na modernidade, chegando a afirma que os "geômetras analíticos" encontrariam muitas verdade neste filosofos.
"É nessa tentativa de reconsiderar os antigos à luz dos modernco e fundir as suas diferentes instâncias que seridade a grandeza histórica e teórica de Leibniz" (Reale e Antiseri, p. 447)

a) Finalismo
A ciência inaugurada por Descartes, propõe explicar os fenômenos que acontecem a partir do "mecanicismmo". Para a explicação mecanicista da coisas é suficiente ter extensão e movimento. Ou seja, quando algo acontece no mundo tem-se uma movimento, imediatamente anterior no tempo e espaço, a partir do aspecto físico, nao existindo qualquer sentido finalístico para este evento acontecer.
O argumento de Leibniz é retirado do livro de Platão do livro Fédon nas suas segundas navegações:
O argumentos é o seguinte:  Anaxágoras argumenta que a o fato de Sócrates ter permanecido na prisão e nao ter fugido é porque Sócrates tinha perna s feitas de músculos, tendões, ossos... do  ponto de vista mecanicista. Mas a razão de Sócrates ter permanecido na prisão é na verdade é de ordem moral, julgou que era o bem permanecer e aceitar a condenação.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Dados dos pensamentos verdes

20% do vertebrados estão ameaçados;
45%  até 2050 45% da população mundial não terá porçao mínima de água;
10% do PIB é gasto com efeitos ambientais;
13 Bilhões de resíduos urbanos será liberado até 2050.
25% do lixo somente é reciclado atualmente
4º C mais quente ate 2100, agravando a seca e inundações

Os objetivos do milenio - ainda pensando verde

O que são os objetivos para o milênio?

Também conhecidos como "8 Jeitos de Mudar o Mundo", os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) são um conjunto de metas pactuadas pelos governos dos 191 países-membros da ONU com a finalidade de tornar o mundo um lugar mais justo, solidário e melhor para se viver


Por vários autores
Revista Vida Simples - 08/2008
 

O compromisso foi firmado durante a Cúpula do Milênio, em setembro de 2000, após uma análise dos maiores problemas globais, e prevê um conjunto de oito macroobjetivos (voltados basicamente para as áreas de saúde, renda, educação e sustentabilidade) a serem alcançados pelas nações até 2015. São eles:
{txtalt}
1. Reduzir pela metade o número de pessoas que vivem na miséria
e passam fome. Cerca de 980 milhões de pessoas no mundo vivem
com menos de 1 dólar por dia. Algumas ações sugeridas são o apoio
à agricultura familiar, a programas de educação e projetos de merenda
escolar.
{txtalt}
2. Educação básica de qualidade para todos. Cento e treze milhões
de crianças ainda não freqüentam a escola no mundo. Fornecer
material didático gratuitamente e capacitar professores fazem parte
das iniciativas adotadas pelos governos.
{txtalt}
3. Igualdade entre os sexos e mais autonomia para as mulheres.
Dois terços dos analfabetos são mulheres. A ONU sugere projetos
de capacitação e melhoria da qualificação profissional feminina e a
criação de oportunidades de inserção das mulheres no mercado de
trabalho.
{txtalt}
4. Redução da mortalidade infantil. A cada ano, 11 milhões de bebês
morrem de causas diversas. Investimento em saneamento básico,
estímulo ao aleitamento materno e campanhas de esclarecimento
sobre higiene pessoal e sanitária são algumas das medidas propostas.
{txtalt}
5. Melhoria da saúde materna. Nos países pobres e em desenvolvimento,
a cada 48 partos uma mãe morre. As ações passam por iniciativas comunitárias
de atendimento à gestante, no pré e pós-parto, e por programas de apoio à saúde
da mulher.
{txtalt}
6. Combate a epidemias e doenças. A cada dia, 6800 pessoas são
infectadas pelo vírus HIV. A cada ano, 2 milhões de pessoas morrem
de tuberculose e 1 milhão, de malária. Distribuição gratuita de remédios
e campanhas de vacinação estão entre as propostas.
{txtalt}
7. Garantia da sustentabilidade ambiental. Os governos apostam em
programas de coleta seletiva e reciclagem, no suporte a projetos de
pesquisa na área ambiental e no estímulo a práticas sustentáveis,
divulgadas em empresas, escolas e comunidades.
{txtalt}
8. Estabelecer parcerias mundiais para o desenvolvimento. O intuito é
diminuir a desigualdade entre os países. Apoio à capacitação profissional
de jovens de baixa renda, mobilização de voluntários na área da educação
e estímulo a projetos voltados ao empreendedorismo estão entre as ações.
Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM)
* por Yuri Vasconcelos, Liane Alves, Elisa Correa
Ilustrações Adriana Leão

http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/conteudo_293669.shtml 

Algumas ideias verdes - Rio+20

Abro a revista época de 18 de Junho de 2012 e vejo um entrevista do secretário -geral adjunto da ONU Carlos Lopes sobre a Rio+20. Destaco alguns pontos sujestivos de sua entrevista;
1. Precisamos de um novo contrato social para o seculo XXI, citando Rousseu.
2. Desenvolvimento sustentável está apoiado em três ideias principal que evoluiram na história. i) Desenvolvimento econômico; ii) igualdade e distribuição da riqueza e; iii) preocupação com os recursos do pleneta.
3. "A verdadeira tranformaçao será quando virmos a economia como sendo o ponto principal da transformação. O ideal é que uma econoia verde aposte na inovação e na tranformação dos métodos econômicos para que sejam mais sutentáveis e mais humanos" p.60
4. As zonas mais críticas do planeta é a África, coencidetemente o continente que mais cresce (5,8%); hoje possuem 1 bilhão de pessoas, até o final do seculo serão 2 bilhões; possuem conflitos profundo no Shael ao Saara e no vale Rift; o PIB passara as ser menos rural e; a Africa possui as maiores terras arraveis do planeta.
5. O Brasil ainda não é líder ambiental a ser seguido.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

O foco sempre

Hoje somos 7 bilhões de pessoas no mundo, até 1968 éramos somente 3,5 bilhões de pessoas, isto significa que quando um sujeito de pouco mais de 50 anos era jovem, ele tinha simplesmente a metade da concorência. Por si só isto não é um dado alarmante se o mundo nao tivesse encolhido. Sim, o mundo encolheu e tornou-se plano, em decorrência as mudanças que ocorrem. Esta concorrência agregada a voracidade do mundo capitalista deixa os jovens, e de forma geral todas as pessoas, tendo que dar o  seu melhor a toda hora.Existe pessoas que conseguem manter o foco sempre, enquanto que algumas pessoas se disperçam muito na vida, com coisas futeis. Os gênios mantem o foco sempre... e isso é tão difícil pra nos meros mortais....

segunda-feira, 18 de junho de 2012

domingo, 17 de junho de 2012

Coisas de um domingo a noite...

Talvez o fim e começo de todas as reflexões, das coisas que fizemos na vida seja a busca para a explicação do próprio Eu. Por isso a pergunta filosófica inevitável é "Quem sou eu?".  Assim dita esta pergunta sempre parece exteril, porque poucas pessoas vão de fato perguntar-se sobre algo que parece tão óbvio. De fato a filosofia tem disso, aburdamente simples e simultaneamente tão enigmática, como a vida. A vida por vezes parece absurdamente simples, na simplicidade do sorriso de uma criança ou no jesto simples de um sorriso, fazemos pessoas felizes; por outro lado complicamos as vezes o que é simples, muito simples. Li outro dia que casais se separam pela forma como usam o creme dental. Essa é a vida... ridicula e maravilhosa, depende de como a encaramos.

ainda sobre gobalização


Uma das características do que chamo de "modernidade sólida" era que as maiores ameaças para a existência humana eram muito mais óbvias. Os perigos eram reais, palpáveis, e não havia muito mistério sobre o que fazer para neutralizá-los ou, ao menos, aliviá-los. Era óbvio, por exemplo, que alimento, e só alimento, era o remédio para a fome.
Os riscos de hoje são de outra ordem, não se pode sentir ou tocar muitos deles, apesar de estarmos todos expostos, em algum grau, a suas consequências. Não podemos, por exemplo, cheirar, ouvir, ver ou tocar as condições climáticas que gradativamente, mas sem trégua, estão se deteriorando. O mesmo acontece com os níveis de radiação e de poluição, a diminuição das matérias-primas e das fontes de energia não renováveis, e os processos de globalização sem controle político ou ético, que solapam as bases de nossa existência e sobrecarregam a vida dos indivíduos com um grau de incerteza e ansiedade sem precedentes.
Diferentemente dos perigos antigos, os riscos que envolvem a condição humana no mundo das dependências globais podem não só deixar de ser notados, mas também deixar de ser minimizados mesmo quando notados. As ações necessárias para exterminar ou limitar os riscos podem ser desviadas das verdadeiras fontes do perigo e canalizadas para alvos errados. Quando a complexidade da situação é descartada, fica fácil apontar para aquilo que está mais à mão como causa das incertezas e das ansiedades modernas. Veja, por exemplo, o caso das manifestações contra imigrantes que ocorrem na Europa. Vistos como "o inimigo" próximo, eles são apontados como os culpados pelas frustrações da sociedade, como aqueles que põem obstáculos aos projetos de vida dos demais cidadãos. A noção de "solicitante de asilo" adquire, assim, uma conotação negativa, ao mesmo tempo em que as leis que regem a imigração e a naturalização se tornam mais restritivas, e a promessa de construção de "centros de detenção" para estrangeiros confere vantagens eleitorais a plataformas políticas.
Para confrontar sua condição existencial e enfrentar seus desafios, a humanidade precisa se colocar acima dos dados da experiência a que tem acesso como indivíduo. Ou seja, a percepção individual, para ser ampliada, necessita da assistência de intérpretes munidos com dados não amplamente disponíveis à experiência individual. E a Sociologia, como parte integrante desse processo interpretativo — um processo que, cumpre lembrar, está em andamento e é permanentemente inconclusivo —, constitui um empenho constante para ampliar os horizontes cognitivos dos indivíduos e uma voz potencialmente poderosa nesse diálogo sem fim com a condição humana.
PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Entrevista com Zigmunt Bauman. Tempo soc. [online]. 2004

Cenário Mundial


Crise internacional terá efeito pelos próximos dois anos, diz Tombini
O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou nesta terça-feira (12) que a crise internacional trará volatilidade aos mercados e crescimento abaixo do esperado para a economia global pelos próximos dois anos.
"Nosso cenário básico é que teremos, ao longo dos próximos dois anos, volatilidade dos mercados internacionais e crescimento abaixo do que se esperava", declarou Tombini, durante audiência pública na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos), no Senado Federal.
A expectativa é que a economia global cresça somente 2,3% neste ano, abaixo dos quase 3% esperados pelo mercado no final do ano passado.
O presidente do BC ressaltou que, do início deste ano para cá, a economia européia teve uma "recaída" na crise por conta da dívida grega e dos recentes questionamentos sobre o sistema financeiro na Espanha.
O PIB (Produto Interno Bruto) da União Europeia deve cair 0,35% neste ano, lembrou Tombini, e crescer 1% no ano que vem.
No caso dos EUA, ele afirmou que a perspectiva é de expansão "moderada". "A economia americana não crescerá mais a 3%, 3,5% ao ano, mas sim na faixa dos 2% a 2,5% ao ano. Mas está ocorrendo uma recuperação."
Sobre a China, a visão é que, a despeito da desaceleração do crescimento do país asiático (a meta é de crescimento de 7,5% neste ano), haverá uma transição suave. "A China tem capacidade de coordenar e administrar um pouso suave da sua economia. Ela tem instrumentos para tanto."

sexta-feira, 1 de junho de 2012

A formação que acerta - acerca do mundo Globalizado

Em seu livro o "O mundo é Plano" de Thomas Friedmann no capítulo seis, Thomas Friedmann se pergunta: "Qual é o tipo certo de ensino prara prprar nossos jovens para esses empregos". (p.324) Se refere as esses empregos como os empregos do mundo globalizado, os empregos do futuro. E citatando um economista afirma que: "No futuro, o modo como educamos nosso filhos poderá se mostrar mais importante do que o quanto nós o educamos" (idem).
"Qual a formação que acerta? Qual é a 'educação certa' que os jovens precisma pra se preparar pra o empregos no novo centro? E como criar isso?" (idem). Há quatro qualidade e atitudes a serem tomadas para alcançar o novo "centro" da globalização.
1) A mais importante capacidade do mundo globalizado é a capacidade de "aprender a aprender". "... para abosorver constantemente, e eninsar a si próprio, maneir as novas de fazer coisas velhas ou maneiras novas de fazer coisas novas. Está é a capacidade que cada trabalhardor deveria cultivar numa era em que muitos empregos, em parte ou totalidade, serão constantemente expostos a digitação, automação e terceirização, e em que cada vez mias rapidamente surgirão novs empregos e indústrias totalmente novas. Neste mundo, não é apenas o que você sabe, mas como você aprende o qeu vai diferenciá-lo. Porque o que você sabe hoje estará desatualizado mais cedo do que você pensa" (324).
Fridman retrata uma pergunta que uma estudante fez a ele "como se aprende a aprender?"
" - Procure seus amigos e faça a eles uma so pergunta: 'Quem são seus professores favoritos? Então faça uma lista destes professores, vá e faça seus cursos, não importa o que eles estam lecionando nem aula ou assunto.
Não importa se eles estajam ensinando mitologia grega, cálculo, história da arte ou literatura americana - faça seus cursos. Porque quando me lembro dos meus professores favoritos, não me lembro especificamente do que eles me ensinaram, mas me lembro bem de ficar animado a aprender. O que ficou comigo não são os fatos que eles transmitiram, mas o entusiasmo com o aprendizado que inspiravam em mim. Para aprender como aprender, você tem que amar aprender - ou pelo menos tem que gostar - , porque em grande parte tem a ver com a motivação para ensinar a você mesmo. E embora pareça que algumas pessoas simplesmente nascem com motivação, muitas outras podem desenvolvê-la ou tê-la implantada poelo professor (ou pai, ou mãe) certo.
 QC+QP>QI" (325) (traduzindo: Quaociente de Curiosindade mais o Quociente de Paixão é maior que o Quaciente de Inteligência).
2) O segundo Paixão e Curiosidade
"Dê-me um jovem com paixão por aprender e curiosidade para descobrir e vou lhe dar preferência sempre, em vez de um jovem menos apaixonados e com alto grau de QI. Porque crianças curiosas e apaixonadas são autoeducadoras e automotivadoras.(....) 'O trabalho tem importâncias' disse Searls, 'mas a curiosidade tem mais importância. Ninguém trabalha mais duro do que uma criança curiosa'" (326)

3) Você precisa gostar de pessoas.
"Você precisa ser bom em lidar ou interagir com outras pessoas. Embora ter boas habilidades inter-relacionais ou interagir com outras pessoas."

4) É nutrir a parte direita do cérebro assim como a esquerda.
Friedman cita Daniel Pink, sobre a funcionalidade do cérebro:
"O hemisfério esquerdo lida lida com sequência, entendimento literal e análise. O hemisfério direito, por sua vez, cuida do contexto, expressões emocional e síntese. (...) Os dois hemisférios trabalham em conjunto, e usamso ambos em quase tudo o que fazemos. Mas a estrutura do nosso cérebro pode ajudar a explicar os contornos de nossos tempos.
Até recentemente, as habilidades qeu levavam ao sucesso na escola, no trabalho, nos negócios, eram as características do hemisférios esquerdo. Eram os tipos de talento linear, lógico e analítico medidos em testes de admissão para universidades. Hoje, essas capacidades ainda são necessárias. Mas já não é o suficientes. Num mundo virados às avessas pela terceirização, inundados de dados e sufocado por escolhas, as habilidades que mais importam estão agora masi proximos em espírito das especialidades do hemisfério direitos - vocaçoes, empatia, ter visão globar e a busca do que transcende" (Pink, in Friedman, p. 329-330).

 

domingo, 27 de maio de 2012

Introdução à Ética – leitura de Vázquez


Colocação do Problema: Quando falamos dos problemas de filosofia prática, especialmente os chamados problemas éticos e morais, este problemas são evidentemente óbvios como, por exemplo: ‘Devo cumprir a promessa que fiz a um amigo?’; ‘É legítimo agredir alguém em defesa própria?’; ‘Um soldado que mata em nome da pátria é culpado pelos crimes?’; ‘Em algumas ocasiões posso mentir para o bem da maioria?’; e outros.
Estes exemplos são alguns exemplos de problemas práticos que se apresentam na vida das pessoas. Todos estes problemas não dizem respeito somente a pessoa que é acometida deles, mas também dizer respeito a ‘outras pessoas que sofrerão as conseqüências de sua decisão ou da sua ação’ (Vázquez, p.16), e em alguns casos dizem respeito a toda humanidade.
Quando escolhemos agir ou analisamos ações de outras pessoas eminentemente emitimos juízos morais. Quando emitimos juízos morais aceitamos uma norma. A norma é tida como obrigatória a todos que a aceitam, e compreendem que tem o dever de agir desta ou daquela forma. No caso de alguém não agir conforme a norma aceita nos a repudiamos a ação, e consideramos errada ou má.
Uma decisão moral sempre é uma ação ou um juízo refletido, que exige a compreensão da norma.Quando nos deparamos com tais tipos de ações ou decisões nos deparamos com tal tipo de conduta humana nos deparamos com o campo da moral.
O campo da moral sempre tem dois aspectos relevantes o subjetivo e o intersubjetivo:
“de um lado, atos e formas de comportamentos dos homens em face de determinados problemas, que chamamos de morais, e, de outro lado, juízos que aprovam ou desaprovam moralmente os mesmos atos” (Vázquez, 16).
As normas são sempre uma interpretação própria das pessoas e está ligada à sua sociedade.O primeiro aspecto íntimo ou pessoal, que leva um sujeito a agir desta ou daquela maneira frente a certos problemas específicos, esta é uma característica pessoal, um característica com grande carga psicológica, uma consciência da ação. O segundo aspecto mais social, diz respeito a juízos que emitimos sobre ações de outras pessoas, está “sujeito a variações de época para outra de uma sociedade para outra, remonta até as próprias origens do humano como ser social”(Vazquez, p.17). De forma geral deveríamos ter a mesma norma para emitir juízos sobre ambos os casos.
A reflexão sobre estes problemas práticos é a teoria moral, que nada mais é do que o campo da Ética. A teorização destes problemas pertence ao campo da filosofia, como reflexão mais aguda sobre estes princípios.
Quando nos deparamos com estes tipos de problemas morais na nossa vida, normalmente usamos regras aceitas pela sociedade, e argumentos que justificam nossa decisão, ligada a religião ou a lei.
Este aspecto comum da moral leva culturas ou sociedades, a variar suas normas do que consideram certo ou errado. Esta variação de normal leva a uma relativização, apesar de ser inerentes a todos os seres humanos, enquanto seres de relacionamentos.
Todas as sociedades e também todas as pessoas se deparam com questões práticas no se cotidiano, são situações que muitas vezes são extremamente complicadas de escolher, onde o certo e errado não estão sempre evidentes. Por isso se diz que todas as pessoas pensam a moral. Já por outro lado tratar teoricamente e de forma genérica destes problemas é assunto da ética.
Para Vázquez a ética busca dizer se um ‘comportamento é pautado por normas, ou em que consiste o fim – o bom – visado pelo comportamento moral, do qual faz parte o procedimento concreto” (cif. 17).
O problema de agir de acordo com uma norma ou regra não é um problema ético, mas moral prático de cada pessoa. É interessante notar que a ética determina regras e normas gerais, mas não determina a moral. Uma investigação teórica determina os limites do certo e do errado, do bem e do mal, mas não determina o que devemos fazer. A esfera da ação é sempre uma questão particular prática.
A moral implica numa questão intransferível que é o problema da liberdade e da responsabilidade. Esta é a característica fundamental da moral. O sujeito é responsável pelo que vai fazer, estudando ou não ética. Todo pessoa pode escolher agir desta ou daquela forma, quando isto ocorre o homem é responsável.
Os problemas morais práticas e teóricos são diferentes, mas muitas vezes seus limites são sutis, e se implicam.
A ética influi para fundamentar e justificar a conduta do ser humano, mas não pode nunca decidir pelo ser humano, a decisão é uma ação própria de cada individuo. A reflexão ética chega a colocar diferentes formas do que é bom, seja a felicidade, o poder, o prazer...
A ética implica em toda a esfera do comportamento humano, como na política, na ciência, na arte, no direito....
A reflexão filosófica da moral, ou seja, a ética; esta pode parecer uma reflexão estéril quando se afasta dos problemas práticos, e permanece uma teoria em si mesma. A relação da ética coma moral é indireta, mas contundente: “ao definir o que é o bom, se está traçando um caminho geral, em cujo o marco os homens podem orientar a sua conduta nas diversas situações particulares” (Vazquez, p.18

Pesquisar este blog